segunda-feira, 11 de maio de 2009

Aprendi com a mãe.

A mãe ensinou-me que às vezes temos de agir com o coração e com a mente, juntos. A mãe mostrou-me que não podemos bloquear a saída pelo coração e guardar tudo para ele. Agora eu percebi que para ser na mesma coração alegre, não preciso de ser coração de manteiga. É só uma questão de nos definirmos e one step at a time. A mãe diz que eu não preciso de ser fria, que até posso deixar que os meus sorrisos (en)cantem, e que para isso não tenho de dar logo o coração.
Ainda sou nova nestas (an)danças, mas pelo menos já descobri, e defini, que não tenho de fechar-te o meu coração a sete chaves, que te posso (en)cantar histórias e melodias do coração, que podemos seguir nestas (an)danças sem caírmos os dois como da última vez, até porque as (an)danças não serão as mesmas em que já andamos - lembras-te quando a Wendy e o Peter estão a dançar no meio das fadas? Como já nós quisemos dançar. E o Peter diz à Wendy que é tudo a fingir, que eles não são os pais dos meninos perdidos? A Wendy pensou que estavam a dançar porque o Peter gostava muito dela, e lembras-te como ela ficou quando ele lhe disse que não? Que era incapaz porque nunca iria crescer? Ela não quis dançar mais, fez um pacto com o Gancho e acabou por caír numa armadilha. Eu já não estou triste, não fiz pactos eternos com o tempo, portanto já não fico triste porque está a chover. Agora já consigo dançar sem caír, mesmo que seja, ou não a fingir.
Eu ainda estou a aprender a dosear o que sai e o que entra para o coração, mas já sei, porque a mãe me ensinou e a mana confirmou, que não preciso de o bloquear, e que não faz mal deixar-te entrar um bocadinho, só de vez em quando, sem tu ou eu darmos conta.
É mesmo assim, como o Peter e a Wendy. Ele não quis voltar com a Wendy para casa, onde ela achava que ele pertencia.

Never is a really long time, Peter.
(o post do dia 2 vem quando tiver as  fotos de Londres)

7 comentários:

Joana Éme. disse...

Agora eu percebi que para ser na mesma coração alegre, não preciso de ser coração de manteiga.Podes ser simpática sem ser mel e manteiga. E podes ser distante sem ser fria e bloqueares. E podes, sempre, sempre, contar com a mãe. Mesmo quando não te ensino nada e és tu que me explicas e me fazes ver o melhor, até o melhor de mim, podes sempre contar com a mãe. Vou estar sempre aqui, Mar.


e amo-te, filhota *

Débra disse...

O teu coração está muito forte e radiante :D
beijinho

baby piggy disse...

Estás forte e eu gosto disso!

Claudia disse...

Fantástica como sempre a tua escrita das emoções... só quem sente assim pode (des)escrever tão bem!
Continua forte e a aprender tão rápido... inspiras-me!
Beijinho

Filipa disse...

Que coração belo, minha Princesa!

Beijinhos...
Muitos!

disse...

está uma beleza, este texto Marianinha :)
beijinhos.

Bárbara. disse...

" Eu já não estou triste, não fiz pactos eternos com o tempo, portanto já não fico triste porque está a chover. Agora já consigo dançar sem caír, mesmo que seja, ou não a fingir. "

Os teus textos encantam-me. São verdadeiros pedacinhos de Sol :)

...Quem me dera, a mim, saber dançar sem torcer o pé a seguir...

Bjinho e muitos Parabéns por essa beleza em transpor sentimentos :)