quinta-feira, 16 de abril de 2009

"They're more than great Joe, they're my family."

Felizmente já tinha parado de chover, avistei um Jipe ao longe, dei dois passos para a frente e quando o Jipe encostou eu abri a porta.
- Estás bem molhadinha! - disse ela. Não respondi. Não estava só molhadinha, estava completamente encharcada, tinha as calças coladas às pernas, o cabelo ainda mais desgrenhado que o normal, as bochechas muito vermelhas, e os pés, nem vou falar dos pés. - Já percebi que o dia não correu bem... Que se passa?
- Estás de urgência hoje à noite? - Ignorei completamente a pergunta.
- Não! Vamos agora buscar a L. que deve estar a saír do ensaio. Ela de manhã teve uma audição. - Não insistiu nas perguntas, sabia perfeitamente que eu não estava com disposição para falar, sensível como eu sou, ainda começava a chorar, e aquele não era o momento indicado. Além disso, a L. tinha ido a uma audição, o que para mim era muito mais importante, e se não lhe tivesse corrido bem, ela precisava muito mais do nosso apoio. Eramos assim, família.
Já estavamos há dez minutos no carro e nenhuma tinha ousado dizer mais alguma palavra. Enquanto esperávamos no trânsito, ela olhou para mim e percebeu que não tinha sido só a grande molha que eu apanhei que me tinha deixado assim, chateada, irritada e mal-disposta. Vi no olhar dela a maior preocupação, mas devolvi-lhe um olhar, que ela entendeu, e bem, de quem já está a respirar e a digerir a situação (sempre tentei combater a precipitação).
- A L. está lá ao fundo, diz-lhe que ali não posso encostar, que venha aqui ter. - assim o fiz, e minutos depois a porta do carro abre-se.
- Então como correu? - perguntou a R.
- Não houve audição! Adiaram para a semana que vem. - Notei logo no tom de voz dela que estava chateada. Há meses que ela andava nervosa e preocupada com esta audição, mais uma semana assim ia ser impossível. - Vou ter de me preparar ainda melhor.
- Não te preocupes, vai correr mesmo bem! Olha, hoje não estou de urgência, portanto podemos ir jantar a qualquer lado.
- M., não falas?
- Desculpa L., o dia não correu muito bem. Prefiro ir para casa, e já falamos as três. Pode ser?
Feito! Fomos as três para casa, a L. foi a primeira a tomar banho. Eu liguei para o Take Away mesmo à frente do prédio - sim, o mesmo Take Away de sempre- enquanto a R. tratava dos cupcakes para a sobremesa. Depois de vestirmos as três o pijama, pegarmos cada uma no seu pacote de cartão com o jantar e irmos para o sofá da sala encostadas umas nas outras com a manta, a R. começou:
- Sabem uma coisa? Hoje ele apareceu lá no hospital... Eu estava nas urgências e ele a acompanhar um amigo que tinha caído e partido o braço.
- E então? Falaram?
- Mais ou menos... Ele era o acompanhante, tive de falar com ele claro.
- E o que sentiste?
- Querem a verdade? Senti muito menos do que estava à espera. Quando o vi, o meu coração tremeu, mas logo a seguir recompôs-se. Já não o consigo ver da mesma forma, já lá vão os tempos em que desejava sentir-me nos seus braços, agora já passou, agora já não quero mais.
- Que orgulho R., que orgulho! Estou mesmo feliz! - dizia a L. enquanto levava mais uma garfada à boca.
- Também eu. Se soubesses como isso são boas notícias... - comentei.
- Hoje quando me disseram que a audição ia ser adiada, só me apetecia saltar-lhes em cima. Caramba, anda uma pessoa a preparar isto há meses e avisam no dia que é adiada? Estava tão chateada. Peguei nas minhas coisas e fui direitinha para o Centro. Precisava de relaxar, de me sentir noutro lugar e acabei por assistir a um ensaio antes do meu.
- E que tal L.?
- O ensaio foi bom... mas não é bem esse o motivo pelo qual eu estou a mencionar o que se passou... - eu e a R. olhamos uma para a outra e logo a seguir para a L. Já adivinhavamos aí uma história que envolvesse as trapalhadas da L. e mais alguma coisa.. ou alguém. - Então... estava lá um rapaz no ensaio, que eu nunca tinha visto no Centro - interrompemos a história para soltar uma gargalhada.
- Já sabia!
- Mas querem ouvir ou não? Então, o rapaz novo estava a encenar a peça, e como não me conhecia, eu apresentei-me e perguntei se podia assistir. E basicamente foi isso...
- Não brinques comigo. Sabemos as três que não ficavas por aí! - Desde sempre que adorava picar a L.
- Oh pronto está bem, fomos lanchar e depois eu fui para o ensaio... e fiquei com o número dele.
- Então parece que há males que vêm por bem.
Entretanto ficamos em silêncio e ambas olharam para mim.
- Acordei tarde porque o despertador não tocou, tinha 6 mensagens de voz no telemóvel da Susana a perguntar onde eu estava, que a filmagem estava atrasada, para levar 4 cafés, dois donuts, um bolo de arroz e uma nata. Vesti-me à pressa, saí de casa a correr, esqueci-me do guarda-chuva, apanhei a primeira molha do dia, fui buscar os cafés e quando cheguei ao estúdio já estavam frios. Ouvi o maior raspanete desde que comecei o estágio, e portanto tive os piores trabalhos durante o dia. Quando saí tinha uma mensagem dele a dizer para ir ter ao Café do Sr. Soares porque era urgente. Cheguei lá, vi-o sentado numa mesa ao fundo e sentei-me também. Estive durante quarenta e cinco minutos a ouvi-lo e não pude falar uma única vez e quando me vim embora apanhei outra grande molha que me deixou completamente encharcada, e agora estou aqui. - Estava sem fôlego já.
- O que é que ele queria?
- Disse-me que eu devia escolher melhor os meus amigos.
- Como assim?
- Que não sabia como era possível vivermos as três sozinhas, que não tinhamos responsabilidade nenhuma e que vocês me tornavam numa pessoa diferente. Ouvi-o durante quarenta e cinco minutos e ele ouviu-me durante um segundo.
- O que lhe disseste?
- "They're more than great, they're my family".
Abraçamo-nos com tanta força como nunca nos tinhamos abraçado. Elas eram a minha família e eu nunca deixaria alguém dizer-me fosse o que fosse. Ficamos o resto da noite a falar, rir alto, comer cupcakes e falar, rir alto e comer cupcakes.

9 comentários:

Nuno disse...

Está simplesmente Fantástico :D

Tani disse...

por favor, vamos fazer uma serie de nós que isto assim não dá! eu fico emocionada demais e depois quero mesmo mesmo que vivamos juntas e fico a espera!


Oh baby, e estiveste a magicar o dia todo com isto e fizeste-lhe justiça :)

Esta amazingly bem escrito. "you're more than great".

(e agora vinha um encenador giro :P)

Tani disse...

I love you baby *

Tani disse...

you're my heart and soul.

Beatriz disse...

Olá
O teu blogue está fantástico!! Parabéns!! O texto está engraçado!
Beijinhos!

Joana Éme. disse...

estou sem palavras :|
isto está tão bem escrito, Mar, está amoroso! :')

li duas vezes só para me certificar que não me escapava nada, nao esperei que fossemos ser nós, quando li a tua mensagem e soube tão bem.
acho que temos este feeling, as três, porque é meant to be :p


Fogo, deviamos fazer uma série toda rebelde :'D

ES O MEU ORGULHO, CLARINHA.

Joana Éme. disse...

faz tão juz a quem nós somos.
familia. <3



:')

disse...

Está muito bom Marianinha, fantástico mesmo!
um beijinho *

F. disse...

Que bonito texto Mariana (:
Obrigada querida, fica combinado, uma tarde *