sábado, 18 de julho de 2009

O Sr. Bessa.

O Sr. Bessa tem uma sapataria mesmo no centro da cidade, mas não é sapateiro. É casado, tem duas filhas - também elas já casadas-, e três netas: uma da mais velha, e duas da mais nova. Todas as manhãs o Sr. Bessa acorda, toma o café com leite que a Dona Néné lhe faz e vai para o quintal "trabalhar". Desde que mudou de casa (para cima da sapataria mesmo no centro da cidade) que a sua rotina tem sido esta. Vai para o quintal e empoleira-se nas escadas, nas redes, nos ferros e quase nas árvores. (des)Arranja tudo o que outros vieram arranjar, diz que os trolhas fazem sempre tudo mal e que ele é que sabe como as coisas devem ser. O Sr. Bessa tem também uma paixão por pássaros, então constrói-lhes gaiolas grandes e espaçosas para que eles não fiquem loucos de estarem fechados, e cá para nós, eu acho que os pássaros também gostam muito dele. Depois de andar plo quintal, o Sr. Bessa vai até à sapataria ver se está tudo em ordem, e segue para o café habitual. Costuma ir sozinho, mas na rua toda a gente o conhece, por isso, arranja sempre companhia para o segundo pequeno-almoço. Abre a porta do café e dirigem-se logo para ele: O costume Sr. Bessa?, Claro menina, já sabe que eu não sou pessoa de variar. Por vezes senta-se numa mesa, ou então deixa-se ficar ao balcão a conversar com as senhoras que estão a trabalhar. No fim, volta à sapataria porque já está na hora de fechar para o almoço, e as raparigas que lá trabalham têm de ir à sua vida, assim como ele tem de voltar para casa a horas, porque a Dona Néné já tem o almoço pronto e não gosta de comer a comida fria. No fim do almoço, enquanto a Dona Néné acaba de se arranjar, o Sr. Bessa vai para o café onde esteve de manhã e a Dona Néné diz-lhe todos os dias que quando estiver pronta passa por lá. Já lá vai o tempo em que o Sr. Bessa e a Dona Néné iam juntos ao café. Os tempos agora são diferentes, os problemas de coluna já pesam e a paciência também já se esgota com facilidade, pois o Sr. Bessa não gosta de esperar e a Dona Néné gosta de andar sempre ao mesmo ritmo. Mas isso não interessa, acabam sempre por se encontrar no café e sentar um ao lado do outro, com o resto das amigas e amigos que todos os dias lá vão ter. Tomado o café, o Sr. Bessa volta à sapataria e a Dona Néné vai às compras ou fica pela sapataria a fazer companhia ou a ler uma revista. O Sr. Bessa tem a força e o espírito de um jovem num corpo já cansado e com marcas da idade, mas não é isso que o impede de não estar parado um segundo. Ora está na sapataria ou a conversar com alguém, ora está outra vez no quintal a (des)arranjar tudo o que outros vieram arranjar, porque os trolhas fazem sempre tudo mal e ele é que sabe como as coisas devem ser. Ao fim do dia, fecha a sapataria e vai para casa jantar, que mais logo é que é hora de fazer as contas, porque agora não pode deixar a Dona Néné à espera. Acaba-se o jantar, e agora que é Verão a Dona Néné vai até à casa da filha mais velha, porque a mais nova mora na casa de cima, e aproveita para dar um passeio, enquanto o Sr. Bessa vai até à Assembleia beber um copo de Vinho que segundo ele, vai directo ao coração. No final volta à sapataria para fazer as contas do dia e apagar as luzes, e antes da meia noite volta para casa porque a Dona Néné já vai dormir e ele não a quer acordar.

Para o meu avô,
o Sr. Bessa

8 comentários:

Xaninha disse...

A minha avó chama-se Avó Néné :)
Gostei muito, os avós são das melhores coisas do mundo *

um beijo (:

Ana disse...

Q ternura de texto! :)

Davi(d) disse...

senti que tens amor pelo teu avô. e ainda bem porque são os nossos segundos pais. :'D
um beijinho Marianinha :*

disse...

oh, que amor de texto. os avós são sempre tão importantes!
beijinhos Marianinha *

F. disse...

Que doçura :)

U disse...

Depois de ter lido, ainda fiquei com mais saudades dos meus avós..
Que lindo, mariana. :')
sempre leve, sempre *

*Ariel* disse...

Oh, obrigada...!:)

Que sorte que tem o Sr Bessa em ter netas assim. :)

Beijinho grande!*

Qel disse...

todos os teus textos têm uma boa dose de ternura, doçura... o que seja. Mas têm, sempre. Escreves com o coração e daí pode-se perceber muito sobre ti, eu acho. Adoro ler estes teus tesourinhos :) *