sexta-feira, 24 de abril de 2009

Já lá vai o (teu) tempo...

Já lá vai o tempo em que todos os dias tentava tirar o un do finished business e nunca conseguia. Já lá vai o tempo em que tentava perceber as tuas oscilações e o teu conceito de gosto muito de ti sabes?. Já lá vai o tempo em que não eras o unfinished business e eramos os melhores amigos. Mas como disse: já lá vai o tempo, e asseguro-te que esse tempo já lá vai. E a partir de hoje, já lá vai o tempo em que eu me importava por cada birra que todos os dias tu fazes por alguma coisa que eu diga. A ferida já fechou, podes tocar à vontade que já não dói e neste momento, quer tu queiras quer não, tenho outras feridas a fechar. Não vou tentar voltar a perceber porque é que gostas tanto de mim como não gostas, porque é que precisas tanto de mim como não precisas. Porque eu já sei o quanto preciso de ti, e tu devias tentar fazer o mesmo, mas desta vez, por favor, sem fazer mais buracos no coração. Demora tempo a reciclar, e como já te disse, neste momento, quer tu queiras quer não, os teus buracos já fecharam e o coração está a reciclar (d)outras naturezas. E tu sabes muito bem que és um pedacinho do meu coração juntamente com os Caracóis todos, portanto não te queiras destacar, se (já) não mereces tal destaque. Aprende a ter-me como os outros me têm, e não queiras que te dê mais, porque não consigo, tu (já) não mereces. Não queiras agora fazer do meu coração gato sapato só porque já está a ser desocupado outra vez, não sejas egoísta e não queiras de lá tirar todos os mimos para virem só as tuas frustrações ocuparem o espaço que tanto me custou a recuperar. Não me queiras fazer doer o peito de culpa, porque essa meu caro, ambos sabemos que não a tenho. Dei-te o meu coração inteiro, sem medos, e tu não quiseste. Mas também só tenho de te agradecer por isso, ensinaste-me a dar apenas pedacinhos do coração, e só porque dei um pedacinho a alguém que não tu, não tens o direito de tentar arrancar-mo de novo. E já lá vai o tempo, em que eu acreditava que os melhores amigos podiam voltar a sê-lo da mesma forma depois de alguma rotura, mas não podem. E já lá vai o tempo em que eu era capáz de te dizer para resolveres o passado, para esclareceres a mente porque eu estava aqui à tua espera, mas desculpa se ainda não tinhas percebido, já há muito tempo que não estou.

Vou continuar a reciclar de outras matérias que não as tuas, já que o processo vai em bons caminhos! :)
"You made this decision, you chose our division.
And I have no regrets,
I wish you the very best,
In all that you do.
Congratulations, you finally got your degree
In your last separation from me."

7 comentários:

Débra disse...

A tua maneira de escrever neste texto foi de grande força :D
beijinho e ainda bem que o teu processo de reciclar tá bom :D

Margarida C' disse...

Gostei muito :)

Claudia disse...

Querida pinta "roxa"... um dia destes explico-te porque te adoptei assim!
Brilhante, fantástico, impressionante... estou felicissima por ti e desculpa mas estou a "usar" esta tua força também para mim. Ainda não consegui chegar onde estás por isso também admiro-te tanto.
Quero tanto dizer, como tu, "...Aprende a ter-me como os outros me têm, e não queiras que te dê mais, porque não consigo, tu (já) não mereces..." ajustando apenas o "(já) não mereces" para "nunca o mereceste".
Beijinho enorme.

Tani disse...

já não é o tempo dele. É o tempo de tu tratares do teu próprio peito reciclado.

Se ele perdesse menos tempo com o Memorial e mais com estas leituras...mas já lá vai o tempo.

~ Jessica disse...

É preciso saber colocar um ponto final. Dói... mas, há certos momentos em que tem que ser, mesmo!

Coragem* , gostei muito do texto :)

Beijinho.

Joana Éme. disse...

Já lá vai o seu tempo :')


Ler este, perceber-te assim, foi um gosto tão grande Mariana. Tão grande - vamos reciclar (d)outras naturezas.

Filipa disse...

PARABÉNS Princesa!

Estás tão, mas tão bem!...
Que orgulho seres capaz de dizer estas coisas! E tão bem que as dizes!...

Beijinho grande...